sábado, 2 de maio de 2009

Um corpo que cai

     
Nome original: Vertigo
Direção: Alfred Hitchcock
Elenco: James Stewart, Kim Novak
Gênero: Suspense
Ano: 1958


     Mestre do suspense nos presenteia com uma trama monótona e fraca. Peço desculpas aos fãs, mas é realmente o que eu acho.
      John Ferguson é um detetive policial que, após presenciar um certo incidente, começa a sofrer de vertigem por medo de altura. Com o passar do tempo, é incumbido de seguir e vigiar a mulher de um amigo que parece estar espiritualmente (ou mentalmente) perturbada e possui tendências suicidas.Comentar esse filme é um tanto complicado, pois como não quero estragar algumas surpresas, não posso descrever as situações que vemos na tela. Mesmo assim vou tentar.
     Após 30 minutos de "Um corpo que cai", você anseia por um elemento que dê à história algum tempero, de tão parada que ela é. Após mais algum tempo, você tem certeza que aquele é o tipo de filme onde haverá algum elemento surpresa, pois a trama é contruída tão obviamente que fica evidente que o diretor planejava alguma coisa para tentar surpreender o espectador. As cenas extremamente longas e sem conteúdo, como o detetive seguindo o carro da mulher, explicitam a vontade do diretor de construir uma história previsível e infantil.
     Pois bem, após a reviravolta que até traz algum sentido ao filme (parecendo uma cópia barata do desfecho de algum romance de Agatha Christie), você acha que o filme chegou ao fim, mas estava só começando a segunda parte, que pode classificada como romântica. É nessa parte que o filme mostra algumas cenas até interessantes, mas nada que cubra a letargia dele como um todo. Devo admitir que Alfred foi original nas suas idéias de roteiro, mas o modo como o moldou deixou muito a desejar.
     Como suspense, "Um corpo que cai" não faz nem cócegas, a não ser pela trilha-sonora que é legalzinha, como a famosa de "Psicose". Como um filme fonte para análises dos personagens, de seus atos e das cenas, você talvez encontre alguns pontos em que pensar. Resumindo: você precisa se esforçar bastante para encontrar o motivo de tamanha adoração dessa obra.

7 comentários:

Nely Ladislau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosangela A. Santos disse...

Adoro filmes especialmente os mais antigos, esse ai eu anida não assisiti.

Valeu a dica

mafia171.com.br disse...

isso que e filme antigo, parace ser meio ruim

Mini Hang Loose disse...

seu blogéfoda... antes de ve qualquer filmenocinema eu vopassa aqui.. hahahaha

Nathália disse...

nunca vi filme de Hitchcock - vergonha! mas parece ser mesmo muito parado, e raramente um filme parado assim funciona. quem sabe um dia eu não assista também? =)

muito legal seu blog!

Mura disse...

O final desse filme é surreal (no pior dos sentidos). Aliás, Hitchcock sempre faz final meio nada a ver só pra acabar o filme. O que aquela freira estava fazendo alí, naquele momento??!!
O suspense no filme até que é legalzinho, mas é que esse tempo já passou. A gente não fica mais apreensivo com essas cenas.
Hitchcock é um grande exemplo de cineasta, mas é um cinema antigo.

Estêvão dos Anjos disse...

tbm não vi nada nesse filme, confesso que achei o final até interessante, mas como disseram é um cinema antigo, acho q pra época deve ter sido uma história foda :p